sexta-feira, outubro 20, 2006

Agora fala ele

O Luís Gaspar emprestou a sua voz a um dos meus contos. O resultado é bem melhor do que o texto, virtude de vocais há muito trabalhadas. Nunca me tinha ouvido pela voz de outro, devo dizer que o resultado me emocionou. Há sempre uma primeira vez!
O Luís começa por me introduzir com um estado d'alma, seguindo-se a ficção liberdade. Muita voz para uma pobre pauta, mas confesso que depois veio a vaidade de o voltar a ouvir. O sorriso, esse, não mo tiram!



Obrigado Luís!


Nota: Ninguém comenta? Basta ir ao Estúdio Raposa e ouvir (o meu texto está a meio da gravação).

6 comentários:

francis disse...

Pronto, João. Eu vou comentar. Na verdade, ia comentar o poste em cima, no entanto, Fico-me por este só para te dizer que não tenho comentário a fazer! :-)
Um abraço!

João Mãos de Tesoura disse...

francis: é pena! Gostava de ter críticas assertivas, mesmo que o resultado não fosse do vosso agrado.
Abraço

Menina_marota disse...

Acabei neste momento de ouvir o Luís Gaspar a declamar o teu excelente texto, que a voz do Luís tornou ainda mais intimista.

"...ali estavam os amantes. tal e qual como os imaginara..."

Adorei!

Fico-te grata por esta partilha.

Um abraço e parabéns .

João Mãos de Tesoura disse...

menina marota: o mérito vai todo para o Luís. Um bom declamador é meio caminho andado.
Beijos

Anónimo disse...

Parabéns, João!
E, já agora, obrigado.
Usaste a palavra "declamador", coisa que se deixou de usar. Hoje toda a gente é "locutor" ou "voz". Não falo por mim, claro, que já tenho a minha "conta", mas era bom que voltassem os...declamadores. Mais, outros declamadores. Os (muitos) bons textos que andam por aí, bem o merecem.
Um abraço
Luis Gaspar

João Mãos de Tesoura disse...

Luís Gaspar: o obrigado é todo meu. De facto, anda por aí muita gente que fala mas que não declama. Mas, pergunto eu, como se pode ler algo sem sentimento? Mesmo a indiferença obriga a um tom diferente do monocórdico. Assim, declamar não é para todos e a tua voz enche.
Bem hajas, um abraço