domingo, outubro 01, 2006

Liberdade

Nenhuma expressão é editorialmente livre, ela será sempre censurada pela nossa consciência... o que se escreve é o que sobra!



Speechless!


Nota 1: Este post resultou de um comentário meu a um post do Miniscente.

Nota 2: e porque no Exacto se fala de liberdade, que tal verem a Wafa Sultan, psicóloga americano-árabe, num debate aceso na Al Jazeera? Uma mulher de coragem num tempo em que os homens baixam as calças!

16 comentários:

francis disse...

... e o conceito de Liberdade é (infelizmente) tão vasto quanto esse mar. Ah, como deve ser bom ser Golfinho!!!
Se a telenovela "Jura" é um retrato da nossa sociedade, então, vou ter que matar todos os meus amigos!

Cristina disse...

é verdade
:)
tem um bom domingo
beijinhu

Andreia do Flautim disse...

A imagem está bonita!:)

Se bem que não percebi bem o raciocínio...

João Mãos de Tesoura disse...

francis: de facto, o concito de liberdade varia com a latitude e longitude.
Os teus amigos podem relaxar, a Jura é um extremo, é aquilo que se vende pelo absurdo.
Abraço

cristina: pois é!
Beijinhu

andreia: não dizemos tudo o que queremos, ou pela paz social, ou pelo conjunto de valores que nos assistem.
Beijos

Loba disse...

Oi João!
Prazer grande em conhecer seu espaço! Li a página inteira e achei super interessante algumas tiradas (que interpretei a meu modo, é claro!).
Mas ao voltar de de cara com o que vem logo após o título do blog. E fiquei pensando: será que loba carrega alguma destas características? rs... Tomara que não... pretendo ficar por alqui, viu?
Beijo grande.
PS. Estive lá nO Enigma. Adorei a idéia da escrita coletiva de uma história! Qq dia entro nesta!!!

Cerejinha disse...

O que se escreve é o que sobra, contudo pode ser o ponto de partida para outras censuras.
:-)

Binoc disse...

Eu sou um inconsciente

Principessa disse...

não vi até ao fim o video, porque me cansei e porque não concordo com esta senhora.

Ela nasceu e cresceu onde? Nos EUA? Parece que lhe fizeram uma lavagem cerebral!

Os muçulmanos não são os [únicos]culpados dos males do mundo. Para esta senhora parece que só há BOM/MAU, BRANCO/PRETO.

Se há uma guerra, há tb PELO MENOS 2 partes envolvidas. Quanto a este último conflito que assistimos, Israel não é propriamente a imagem de um país sem pecados... Dos EUA, acho que até é redundante falar...

(pediste liberdade, aqui tens a de expressão...)

tonsdeazul disse...

Liberdade. Hum... até onde pode ela ir? Talvez só nos meus pensamentos seja livre... pelo menos enquanto não os deixo transformarem-se em palavras...

João Mãos de Tesoura disse...

euzaloba: de facto, a consciência de alguns é muito pesada. Esses, geralmente, censuram muito os outros!
Beijos

bincoc: aqui não se desmente ninguém! :D Mas a tua inconsciência é saudável, ó se é!
Abraço

principessa: é pena que não tenhas visto até ao fim. Perceberias o que eu queria dizer se visses um muçulmano a chamar-lhe de erética. Concordo contigo, há vários tons de cinzento entre o branco e o preto. O que se passa, é que os muçulmanos vêm o Mundo apenas sob o seu prisma e tudo o mais é errado. Claro que não falo da maioria dos muçulmanos que vivem no Ocidente pois já foram aculturados por regimes laicos. Contudo, se leres o Corão, perceberás a violência do mesmo e as más interpretações que dele se podem fazer. Sou secular, por isso estou à vontade para falar. E quanto ao modelo de vida, e é disso que se trata, não troco o meu pelo deles. As mulheres, essas, nem deviam hesitar!
Entre viver com judeus ou com árabes, prefiro os primeiros sem exitação.
Vivemos numa sociedade marcada pelo ritmo dos media, aconselho-te que leias este artigo, com calma, até ao fim e, em consciência, tira as tuas conclusões.
http://ruadajudiaria.com/index.php?p=543
Beijos

tons de azul: só nos pensamentos é que garantimos que a nossa liberdade não fere a dos outros.
Beijos

Anónimo disse...

As palavras refectem o que vai na alma, no entanto muitas vezes aquilo que se transpõe para o interior nem sempre é aquilo que se sente.

Julieta

João Mãos de Tesoura disse...

julieta: não percebi! Querias dizer interior ou exterior? Se foi interior o qual o sentido da frase?

Anónimo disse...

julieta: Foi um lapso de escrita, queria dizer exterior.

Aquilo que neste momento estou a exprimir para o exterior não é aquilo que sinto na alma, sinto dor por não demonstrar o meu amor como deveria ser!

João Mãos de Tesoura disse...

julieta: agora percebi. Mas isso que dizes é de criança e este espaço é para crescidos! :D Brinco!
Agora mais a sério, não acredito que uma pessoa não consiga expressar o que lhe vai na alma. Se não o fizer será cobardia, só!

Principessa disse...

falas-me do Corão, mas já leste o Antigo Testamento? Em termos de violência, estão ela por ela...

João Mãos de Tesoura disse...

principessa: concordo totalmente contigo. Eu falei do Corão porque o que está aqui em discussão é a violência nos países islâmicos. Mas, de facto, os livros do antigo testamento são também de uma violência imensa que resulta da época em que foram escritos. Felizmente os cristão têm o novo testamento para esquecer o antigo, mas os mulçumanos não. E a interpretação à letra do que é escrito leva à violência. Contudo, os cristãos também a fizeram, mesmo com o novo testamento, pois o homem pode ser uma besta quando anda cego.