segunda-feira, setembro 25, 2006

Trilogia

Não seriam mais de três, ele e mais dois, mas qual deles, não sei, o primeiro era gentil, quase serviçal e nunca se impunha aos outros dois, o segundo era arrogante, de um convencimento insuportável, tanto, mas tanto, que só se calava na presença do terceiro, o manipulador, dono das palavras e da razão, mesmo que aparente, condicionava o par que o seguia, poder que nunca rejeitou, usava-o sem displicência, os outros, esses, aceitavam a liderança sem conflito, tinham o seu espaço e isso bastava-lhes, não fosse ela e nada haveria a contar, o primeiro adorava-a, não tanto pela beleza mas pela candura, o deleite era total, o segundo encontrara uma ouvinte, coisa rara, e não desperdiçava nenhuma oportunidade para se elogiar, nem o olhar inquiridor dela lhe perturbava o monólogo, o terceiro conhecia bem o engodo, na mão alva e esguia ela escondia o cárcere mas continha-se, gostava de os ouvir, e se no primeiro não encontrava móbil maior do que a inocência, bastava-lhe escutar o segundo para reconhecer o mal insondável, verdade sempre interrompida pelo terceiro para que na razão não se perdessem os três, e nisto passavam os dias, ela sem saber a quem atender, eles à procura da liberdade, e tudo escurecia quando ela da mão desvendava o algoz, não seriam mais de três pastilhas para mastigar, só, preparo seguro para a viagem ao inconsciente, vertigem, e se dos três nenhum será, não sei, nem eles, nem ela, e agora vou dormir que estes três querem-se deitar...



Um, dó, li, tá, quem está livre, livre está...


Nota 1: a loucura não é propriedade individual, a história encarregou-se de a transformar num legado da humanidade!

Nota 2: não, o post não é sobre 3 comprimidos, mas sim sobre um esquizofrénico e a médica, e não, não é autobiográfico.

7 comentários:

Cerejinha disse...

Opá:-( Este novo visual não me cabe no monitor... Será que vou ter de substituir as 17 polegadas por um plasma de metro e meio?

Periférico disse...

Gostei particularmente das notas, nada de interpretações demasiado livres ;-)

Também gostei do teu blog e irei certamente voltar.

Um abraço

João Mãos de Tesoura disse...

cerejinha: e agora, já cabe? Preocupei-me em configurar o blogue para resoluções de 1024x768 pixeis, que é a configuração mais usada (de longe) de quem aqui passa.
Beijos

periférico: gostei particularmente de escrever este texto. Não só pelo tema como, também, pelo estilo. Acrescentei-lhe mais alguma coisa hoje para concluir a dúvida inicial. Parece-me bem, mas serão vocês a comentar.
Volta sempre!
Abraço

Cerejinha disse...

Bigada!Tá mt melhor:-)

João Mãos de Tesoura disse...

cerejinha: o texto ou o blogue? :D
Beijos

Hugo Denis disse...

Obrigado pela sua visita, interessante blog e lindas mulheres!

Abraço.

João Mãos de Tesoura disse...

hugo: o mérito não é meu, é delas!
Abraço