sexta-feira, setembro 29, 2006

Mundo islâmico

Num momento em que se continua a insistir na questão israelo-palestiniana como o paradigma do mal, vale a pena ler este texto e contabilizar as mortes que resultaram de conflitos recentes entre árabes. Milhões, uma barbárie! Os Media, esses, andam mais entretidos em perseguir os judeus, vá-se lá perceber porquê?



Esta mulher prepara-se para morrer por lapidação! O Irão é exemplar...

Quanto ao ladrão e à ladra, decepai-lhes a mão como castigo de tudo quanto tenham cometido; é um exemplo que emana de Deus porque Deus é Poderoso, Prudentíssimo (Corão 5:38). Aquele que depois da sua iniquidade se arrepender e se emendar, saiba que Deus o absolverá porque é Indulgente, Misericordiosíssimo (Corão 5:39).Vida por vida, olho por olho, nariz por nariz, orelha por orelha, dente por dente e as retaliações tais e quais; mas quem indultar um culpado, isto lhe servirá de expiação. Aqueles que não julgarem conforme o que Deus tem revelado serão iníquos (Corão 5:45). Este último versículo tem paralelo no Antigo Testamento, as bases são as mesmas no essencial. Felizmente, o Novo Testamento adocica o Antigo.



Ablação do clitóris no Sudão...

Quanto àquelas dentre vossas mulheres que tenham incorrido em adultério, apelai para quatro testemunhas dentre os vossos e, se estas o confirmarem, confinai-as em suas casas até que lhes chegue a morte ou que Deus lhes trace um novo destino (Corão 4:15). E àqueles dentre vós que o cometerem (homens e mulheres), puni-os; porém, caso se arrependam e se corrijam, deixai-os tranquilos porque Deus é Remissório, Misericordiosíssimo (Corão 4:16).



Nota: deixo-vos este link para meditar sobre várias atrocidades do mundo islâmico. O meu fito não é persecutório. Pretendo tão-somente que tirem ilações sobre a nossa forma de vida, se a devemos defender, se valerá a pena falarmos de direitos humanos.

24 comentários:

Anónimo disse...

Bem, João este post deixou-me sem respiração!!! ... acho que até o meu coração parou ao ver estas imagens "irreais"!
FakeBarbie

thalie disse...

BOM DIA!!
É triste abrirmos uma brecha no nosso "cocoon" e vermos que a realidade é bem mais feia que o nosso mundinho cor de rosa. A malvadez que se faz por esse mundo fora tiraria a fome e o sono a muita gente se tomassem dela consciência. Mas é mais facil voltar a fechar o casulo e não pensar mais no assunto. Afinal " não há nada que possamos fazer". Eu li QUEIMADA VIVA, entre outros do genero, e não há nada que me revolte mais que o desrespeito pelos direitos de cada um.
Até à próxima!!!

João Mãos de Tesoura disse...

fake: infelizmente são bem reais! O problema é que andamos todos amedontrados com regimes satânicos e vamos fechando os olhos às arbitrariedades que se vão cometendo. No fundo, não passamos de cobardes bem instalados nas nossas verdades!
Beijos

thalie: não concordo contigo, há muito para fazer. A primeira coisa é não ter medo. A segunda é impor a estes regimes a carta internacional dos direitos dos homens, doa o que doer, custe o que custar!
Beijos

thalie disse...

Oi Joao!
lamento não me ter feito entender!!
No fundo aquilo que queria é exactamente a tua resposta ao comentário de "fake".( Eu escrevi "não há nada que possamos fazer", entre aspas).
fica bem

João Mãos de Tesoura disse...

thalie: mea culpa! Li sem ver as aspas! Está reposta a verdade! :)

Cruzeiro disse...

É a realidade do triste mundo em que vivemos, onde é mais facil virar a cara e fazer de conta que esta realidade não existe, do que encarar e tentar lutar contra ela.

João Mãos de Tesoura disse...

cruzeiro: a cobardia, o medo ancestral do papão islâmico, que em tempos nos invadiu... faz tremer as fundações da Europa. Agora, que eles já cá estão, já!

Anónimo disse...

Parabéns! Conseguiste transformar o teu blog num megafone da intolerência e do medo (do papão islâmico...).
Obviamente que esta manobra foi planeada de modo a parecer inocente, mas os links que apresentas estragam-te o arranjinho. Se procurares bem vês que o último link tem links para sites assumidadmente racistas (sendo que pelo menos um deles foi entretanto encerrado devido a isso mesmo). O segundo link pertence a uma publicação (FrontPage magazine) que é assumidamente de (extrema?) direita e porta voz das posições do partido republicano dos EUA. Pode-se ver isso simplesmente olhando para o nome de alguns colunistas e pelo facto de anunciarem a venda de "conservative T-shirts" com frases como "I'd rather fight than switch to the 'religion of peace'". Isto revela que as fontes que apresentas na tua mensagem do "papão islâmico" não são independentes, nem fingem ser! São assumidadmente anti-islâmicos e cegamente pró-EUA.
Adeus e espero que um dia pares de espalhar o ódio ou então serás parado por ele (quem semeia ventos...).

Thiago Forrest Gump disse...

Lembrou-me um post teu antigo que trazia a imagem de uma avestruz com a cara enfiada na terra. :(

João Mãos de Tesoura disse...

anónimo/a: não sei qual foi a parte que não percebeste. O último link de que falas remete para uma página onde se vêem atrocidades da aplicação da lei islâmica. É contra estas abritrariedades que me manifesto. Mais, é contra a tolerância zero contra os judeus e a nossa bonomia face aos árabes que me manifesto.
É contra a hipocrisia dos Media que apostam na perseguição continuada dos judeus e fecham os olhos ao resto.
De facto, é necessária coragem e bom senso para se apoiar o direito à auto-determinação do povo de Israel. De facto, é necessária coragem para levantar a voz contra países que espezinham os direitos humanos. E sim, a maioria dos países árabes atropela estes direitos.
Não tentes tu, ó fraco/a de espírito, vir deixar a encoberto do anonimato uma ameaça. O teu texto é a tua cara; violência, ódio e muita, mas muita ignorância. Nem com as fotos raciocinas, és cego/a!

thiago: completamente! Depois há aqueles, como o que comentou antes de ti, que têm vidas amarguradas e fazem do mundo uma grande cabala para justificar os seus falhanços. Não percebem que nunca há bons na história, há os melhores e os piores, mas nenhum perfeito. E entre os melhores está o mundo ocidental, seguramente.

Anónimo disse...

"(...) é contra a tolerância zero contra os judeus e a nossa bonomia face aos árabes que me manifesto (...)" - engraçado. Nunca ouvi em nenhum telejornal chamarem terrorrista a nenhum Judeu, só aos muçulmanos, embora as tropas israelitas façam mais mortos e feridos entre civis palestinianos, que os palestinianos entre os israelitas.

"(...) É contra a hipocrisia dos Media que apostam na perseguição continuada dos judeus e fecham os olhos ao resto (...)" - idem.

"(...) De facto, é necessária coragem e bom senso para se apoiar o direito à auto-determinação do povo de Israel (...) - fica sempre bem um auto-elogio... ainda bem que TU achas que a TUA posição é corajosa e razoável. Tens-te em muito boa conta...

(...) De facto, é necessária coragem para levantar a voz contra países que espezinham os direitos humanos (...) - vivendo num país Ocidental não necessário assim tanta coragem. Aqui até é muito fácil levantar a voz contra esses países. Temos é que incluir nesses países os EUA, Israel, o Afganistão dos Talibans que os EUA apoiaram, o Iraque do Saddam que os EUA também apoiaram, a Birmânia (que agora se chama Mianmar) governada pelos militares, etc.

(...) E sim, a maioria dos países árabes atropela estes direitos (...) - fazes o erro básico de confundir "árabe" (grupo étnico/cultural) com "muçulmano" (grupo religioso). Em muitos países em que se aplica a lei islâmica, esta é incompatível com os direitos e a dignidade humana. Mas Israel também atropela os direitos (consagrados por resoluções das Nações Unidas) dos palestinianos. Aqui não há "melhores nem piores".

(...) Não tentes tu, ó fraco/a de espírito, vir deixar a encoberto do anonimato uma ameaça (...) - não tenho certamente um espírito virtuoso, mas não deixei ameaça nenhuma.

(...) O teu texto é a tua cara; violência, ódio e muita, mas muita ignorância. Nem com as fotos raciocinas, és cego/a! (...) - não sei onde vês violência e ódio no meu texto. Apenas disse que os links que tu apresentas para sustentar a tua posição não são independentes nem isentos, tendo até um deles ligações a sites assumidamente racistas. O meu post foi apenas e só nesse sentido. Com a tua opinião podes fazer o que quiseres.

"(...) Depois há aqueles, como o que comentou antes de ti, que têm vidas amarguradas e fazem do mundo uma grande cabala para justificar os seus falhanços (...) - sem comentários...

"(...) Não percebem que nunca há bons na história, há os melhores e os piores, mas nenhum perfeito (...) - não há bons, mas há os melhores????? Melhores para quem? Essa tua postura anti-islâmica e anti-árabe torna-te um melhor ou um pior? Pelo que me chamaste já percebi que faço parte dos piores :( Coitadinho de mim.

"(...) E entre os melhores está o mundo ocidental, seguramente (...)" - Iupiii! Viva nós!

Anónimo disse...

Vou-te ensinar uma coisa. Nos teus textos, por ignorância (ninguém nasce ensinado...) ou por malícia, confundes sistematicamente as seguintes palavras:
"árabe" e "muçulmano";
"judeu" e "israelita".
Os "árabes" são um grupo étnico/cultural.
Tanto os "muçulmanos" como os "judeus" são grupos religiosos.
"Israelita" é uma nacionalidade.

Assim, há "árabes israelitas" (que são tratados pelo estado de Israel como cidadãos de terceira categoria).
Há árabes que não são muçulmanos e há muçulmanos que não são árabes.
Há israelitas que não são judeus e judeus que não são israelitas.

João Mãos de Tesoura disse...

anónimo/a: continuas a encoberto do anonimato, acho bem. Afinal, tanta asneira não pode ser dita de forma frontal. Ficava mal e afinal tu tens um nome a proteger...

Antes de mais, e para que não fique em ti a mácula de uma convicção serôdia, não és proprietário/a da verdade, muito menos me ensinas. Pelo que escreves, sempre que aqui vieres, é com a humildade da tua ignorância, com o atrevimento da imbecilidade. Rogo-te para leres o subtítulo do Exacto... se não perceberes, então podes continuar.

1. Dizes que nunca ouviste chamar terroristas aos judeus em nenhum telejornal - a sério, só tens rádio?

2. A coragem para apoiar os Sionistas (espero que saibas o que quer dizer) é coisa rara! Todos têm medo dos árabes, a começar pelo nosso vizinho Zapatero e por ti. É de bom-senso não ser extremista, lê o meu post sobre o judaísmo e perceberás. Calculo que saibas pouco, ou quase nada, da história das religiões...

3. Quanto a não ser necessária coragem para se falar no Ocidente... deves viver em Canas de Senhorim onde o cultivo do tubérculo é a actividade mais arriscada do dia. De facto, não houve violência na Europa (Londres e Madrid) nem grupos terroristas desmantelados (no Porto, contra o presidente da CE, em Londres, contra aviões para os EUA, etc.). Deve ser por isso que várias pessoas, entre eles um professor de filosofia em França, que falaram contra o Islão necessitam de protecção policial. A estupidez tem limites...

4. Chegou o momento de te corrigir no português, instrumento que utilizas e não dominas, risco tão grande quanto o segurar de uma faca por uma criança. Eu não confundi os árabes com os muçulmanos. Se tornares a ler, consegues?, verás que disse "a maioria dos países árabes..." o que é manisfestamente diferente. Todos os países árabes são muçulmanos, todos, e maioria deles são ditaduras fundamentalistas. Fui isso que quis dizer. Capice?
Contudo, nos países árabes há outras religiões, minorias! É muito difícil ser-se diferente num país árabe, sabias?

5. Dizes que não deixaste ameaça nenhuma aqui, ajoelho-me e rezo em várias línguas... mesmo sendo secular... "Adeus e espero que um dia pares de espalhar o ódio ou então serás parado por ele"... se isto não é uma ameaça velada, então o simplex já está a funionar e Canas de Senhorim já tem acesso à net em banda larga.

6. Quanto ao ter-me em boa conta, tenho certamente, não tenho o teu peso de consciência! Não ando por aí a escrever "Conseguiste transformar o teu blog num megafone da intolerência e do medo " por dá cá aquela palha. Mas se insistires muito eu dou-ta. Aliás, dou-ta a palha, os freios e a sela!

7. Quanto aos melhores e aos piores, há-os de facto. Espero que possas emigrar para um qualquer país árabe, que vás todos os anos a Meca em peregrinação, que rezes várias vezes ao dia, que castigues o teu "irmão" de forma implacável, que adiras à Al Qaeda, que te forres de explosivos e que eu veja num telejornal qualquer que falhaste o alvo no Iraque!

Fica bem ou talvez não, eu cá, confesso, gozei o prato! O meu obrigado pela oportunidade!

Anónimo disse...

Amén!
Quem fala assim não é gago: é sionista!

João Mãos de Tesoura disse...

anónimo/a: não leste o subtítulo... e sim, sou a favor do Estado de Israel como a ONU, aliás. O teu Ámen denunciou-te... muitos milénios a perseguir os outros ficam no tecido genético. Só a inteligência vence esse terpor!

Anónimo disse...

A ONU?

* General Assembly Resolution 194, Dec. 11, 1948 - Palestinian Refugees have the right to return to their homes in Israel;

* Security Council Resolution 242, Nov. 22, 1967 - Israel's occupation of Palestine is Illegal;

* Security Council Resolution 446, March 22, 1979 - Israel's settlements in Palestine are Illegal;

* General Assembly Resolution 3236, November 22, 1974 - Palestinian have the right to Self-Determination.

Podes ver o resto da (grande) lista aqui: http://www.jatonyc.org/UNresolutions.html
e aqui:
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_the_UN_resolutions_concerning_Israel


Quanto ao comentário "muitos milénios a perseguir os outros ficar no tecido genético": esta frase não faz sentido nenhum.

Anónimo disse...

Um dos links não está completo.

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_the_UN_resolution
s_concerning_Israel

Anónimo disse...

Com esta discussão quase perdemos o fio à meada. A minha primeira mensagem (10/03/2006 12:43:13 AM) tinha como objectivo alertar-te para o facto de teres na tua página links para sites com conteúdo assumidamente racista. Agora que te assumiste como sionista já consigo entender a tua posição.

Até 1991, a resolução nº 3379 aprovada na Assembléia Geral das Nações Unidas considerava o sionismo como "uma forma de racismo e discriminação racial". Esta resolução foi revogada pela resolução nº 4686. Esta última resolução, segundo o presidente Bush (senior), era melhor porque "...to equate Zionism with the intolerable sin of racism is to twist history and forget the terrible plight of Jews in World War II and indeed throughout history.". Não se percebe é o que tem "o cú a ver com as calças"... Isto é, ninguém de bem senso nega o Holocausto (que afectou milhões de pessoas, não apenas judeus), mas daí a isso servir de desculpa para o estado de Israel cometer atrocidades vai um longo caminho.

João Mãos de Tesoura disse...

anónimo/a: gabo-te a paciência mas não a compreensão. Sou um tipo porreiro, vou-te explicar como se estivesse a falar para uma criança de seis anos.

1. A primeira resolução foi sobre a criação do Estado de Israel e da Palestina. Esqueceste-te dela acidentalmente? Hahahaha!


2. Para ver aprender mais vê o meu post
Aqui comprederás um pouco mais judeus.

3. A maioria das resoluções que vieram depois resultaram de agressões de árabes aos Israelitas, várias, também te esqueceste delas? Não aceitando a decisão da ONU invadiram Israel cobardemente por várias vezes e, felizmente, perderam sempre. Claro que não bons na história e Israel em retaliação também cometeu arbitrariedades, infelizmente. Como os ingleses com os alemães em Dresden, e podíamos continuar.
Mas nunca chegaremos a acordo pelo que a tua provocação não servirá de nada, é impossível converter água em ouro e espero que não evapores depressa!

4. A discussão neste post terminou para meu descanso que não sou profeta nem amigo de evangélicos.

Anónimo disse...

Não sou uma criança de seis anos. Se explicas como se tivesses a falar para uma é porque talvez a tua (in)capacidade argumentativa não dê para mais... (peço desculpa aos eventuais leitores por ter descido ao (baixo) nível do nosso anfitrião, mas depois de tanta zurzidela acho que é merecido)

A primeira resolução criou um estado judaico, cujas fronteiras Israel tratou de expandir e às quais nunca mais regressou.

Esse link para o teu "post" não funciona.

"(...) A maioria das resoluções que vieram depois resultaram de agressões de árabes aos Israelitas, várias, também te esqueceste delas? (...)" - quais é que são elas, se não for pedir muito (e se é que existem assim tantas)?

Os árabes daquela região não aceitaram a criação de um estado judaico e tentaram derrubá-lo. É verdade. Isso dá porventura algum direito a Israel de ainda ocupar os outros territórios? As aspirações dos judeus por um estado israelita nessa altura sao iguais às dos árabes por um estado palestiniano agora.

"(...) é impossível converter água em ouro e espero que não evapores depressa!(...)" - mais uma vez esta tiradas pseudo-filosófica-semi-profunda com que acabas as mensagens não fazem sentido nenhum. Esta tua frase é mesmo uma daquelas pérolas de ausência total de conteúdo ;)

João Mãos de Tesoura disse...

anónimo/a: tudo o que dizes é refutável, mas acho que não percebeste. Eu disse que a discussão estava fechada e o blogue ainda é meu! Não sou paizinho de ninguém, nem educador do povo. Se te queres repetir, repete-te no teu blogue! Pago para ver!

Anónimo disse...

Se tudo o que eu digo é refutável, porque não apresentas argumentos? Diz-me onde posso encontrar os dados que suportam as tuas afirmações, factos que se possam confirmar ou refutar.

Felizmente não és paizinho de ninguém e muito menos educador de coisa nenhuma. Valha-nos isso! O mundo ocidental (e o oriental e o do "meio"...)já têm mensageiros do apocalipse que chegue para dar e vender. O mundo não precisa de mais um megafone de ódio. Para isso bastam os das mesquitas, sinagonas, igrejas, partidos, BLOGS, etc.

Anónimo disse...

Mais uma coisa:
isso de "fechar" a discussão porque o blog é teu parece um bocadinho ridículo, não? Assim tipo menino mimado: "Isto é meu e já não brincas mais". Afinal quem é que tem seis anos? ;-)

João Mãos de Tesoura disse...

Volta e meia aparecem aqui solitários, dos que tudo fazem para que nunca sejam esquecidos. Ok, já que a medicação falhou, estás à vontade. Estica-te aí e conta, começa pelo início, a tua mãe teve um parto fácil ou difícil?