quarta-feira, janeiro 23, 2008

Sons perdidos no vento

... olhaste à volta e só agora reparaste que do nosso movimento surgira um labirinto entre as margaridas. Observando melhor, todo aquele rasgo se assemelhava a uma interrogação, como que a negar o que tinhas acabado de dizer.
Olhei-te, estavas perplexa, e sem mover os lábios disse-te: “abriste as tuas gavetas, não receies, não pretendo vasculhar ou roubar-te algo, basta-me que uma delas seja minha para a preencher de tudo e de nada...”
Na resposta veio um abraço profundo com a força de quem não quer perder; e assim ficámos, corpo com corpo, faces encostadas sem nos vermos... sabíamos que estávamos a sorrir... tu balbuciaste junto ao meu ouvido... “se desapareceres eu invento-te!”...
Preenchendo o silêncio respondi-te... “sou desenho que encontraste, não temas as folhas em branco, podemos pintá-las juntos!”...



Agora só falta acabar a estória e publicá-la na Maria!


Desafio: acrescenta o parágrafo final no estilo e espírito que quiseres, eu coloco-o aqui! Aposto que terei melhores finais do que este intermezzo!



OS VOSSOS FINS...

Van Gogh: "... de branco e amarelo?" perguntaste, tentando saber se facilmente te adivinharia. Quis responder que sim, mas ao olhar-te nos olhos ... "Sim, das cores que quiseres…"
Desviaste o olhar para fora de mim e disseste: "não temas tu... as cores."

Pinto da Costa: ... trémula e ainda com a língua na tua orelha, balbuciei: - Pintemos! Pintemos! Mas de que côr Caraius?...

Barbie: E assim ficaram juntos para sempre!

National Geographic: ... e, num assomo da frieza agressiva que te caracteriza, disseste: "a inspiração artística é solitária". Desfez-se o abraço e partiste. Ficou o aroma da tua ausência por entre o das margaridas.

Hugh Hefner: "Depois disso, ela o empurrou para a cama e enquanto ele a olhava de baixo para cima, ela foi caminhando sobre o colchão, despindo-se devagar, olho no olho, até ficar completamente nua. Então, debruçou sobre o corpo dele e roubou-lhe um beijo, lento e molhado. Aproximou-se ao pé do ouvido e sussurrou: vai entrar ou quer que eu diga por favor?"

Florbela Espanca: Com a voz trémula e incipiente afastaste o teu rosto e convicta de ti, disseste:
"Não são as folhas em branco, as que temo, são antes os espaços intermédios que existem entre as cores e os riscos que me fazem lembrar a necessidade gritante de te afastar para te inventar… e sim, invento-te todos os dias."

16 comentários:

Cymbron disse...

Não escrevo na Maria...lol
E mai nada!
Tou com um humor complicado para esse tipo de pink na escrita, portanto pensa duas vezes antes de me pedires um bocado desta estória.

Jokas grande amigo.

João Mãos de Tesoura disse...

cymbron: a piada está na resposta! Quem falou que tinha de ser pink? Podes gozar com a cena, etc. :D

Beijos

€aµ disse...

Alowwwwwww, 'Jão' das mãos cortantes. (rindo)
Pensando em um parágrafo, mas confesso que ando um tanto 'preguiçosa' até pra pensar... deve ser o resfriado.
Mas vim agradecer o comentário e deixar a promessa de contribuir com o post... quem sabe. risosss
Beijo

gostodedesafios disse...

" …de branco e amarelo?" perguntaste, tentando saber se facilmente te adivinharia. Quis responder que sim, mas ao olhar-te nos olhos ... "Sim, das cores que quiseres…"
Desviaste o olhar para fora de mim e disseste: "não temas tu... as cores."

NAELA disse...

Ola obrigado pela visita e concerteza fico a tua espera em Londres tambem;)
Gostei do texto e para ser sincera esta lindo conforme o terminaste!
If I add something I will destroy the beauty!
Beijo

João Mãos de Tesoura disse...

cau: fico à espera da contribuição... dos impostos! :D
Beijos

gostodedesafios: boa! Leste este poema?"

naela: achas? eu pensava que faltava algo... debochado no final para acrescentar contexto! :D
Beijos

guida disse...

...trémula e ainda com a língua na tua orelha, balbuciei: - Pintemos! Pintemos! Mas de que côr Caraius?...

(Desculpa João...são influências do Blog porcalhôto láaaaaaa da dona SãoRosas....cof..cof..cof)

Beijinho grande

Andreia do Flautim disse...

E assim ficaram juntos para sempre!
=P

Anónimo disse...

... e, num assomo da frieza agressiva que te caracteriza, disseste: "a inspiração artística é solitária". Desfez-se o abraço e partiste. Ficou o aroma da tua ausência por entre o das margaridas.

Isto é mesmo digno da Maria...

S.P.

Principessa disse...

não quero continuar a história... apenas me revi nesse abraço. Por vezes não dá vontade de largar. Pena não podermos congelar o momento...

Thiago Forrest Gump disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Forrest Gump disse...

"Depois disso, ela o empurrou para a cama e enquanto ele a olhava de baixo para cima, ela foi caminhando sobre o colchão, despindo-se devagar, olho no olho, até ficar completamente nua. Então, debruçou sobre o corpo dele e roubou-lhe um beijo, lento e molhado. Aproximou-se ao pé do ouvido e sussurrou: vai entrar ou quer que eu diga por favor?"

schainho (sónia) disse...

Com a voz trémula e incipiente afastaste o teu rosto e convicta de ti, disseste:

"Não são as folhas em branco, as que temo, são antes os espaços intermédios que existem entre as cores e os riscos que me fazem lembrar a necessidade gritante de te afastar para te inventar… e sim, invento-te todos os dias."

Anónimo disse...

Vim cá expressar a minha alegria, apenas porque o porto perdeu com o Sporting!

:)

beijinho

E

João Mãos de Tesoura disse...

guida: és daltónica, Carais? :D
Beijinhos

andreia: de noite dizem que os campos de margaridas arrefecem... ia ser incómodo! :D
Beijinhos

S.P.: é digno da judiciária... quem era ele, para onde foi, porque foi embora, etc. :D
Beijinhos

principessa: não há nada melhor, mesmo que no futuro a estória se desfaça. Aí sim, congelamos! :D
Beijinhos

thiago: sem preliminares... ainda há mulheres dessas? :D
Abraços

schainho: ó miúda, então inventas para caramba! :D Já não te via por aqui há décadas!
Beijinhos

E: Ainda bem que estás alegre. Eu não!
Queria o Porto destacado em 1 lugar (só leva 8 pontos sobre o benfica...), mas tenho carinho pelo Sporting e acho que ele mereceu ganhar.
Beijinhos

eremita disse...

Tu continuavas,encostada a face em meu ouvido,e num murmúrio de ventos de Verão ouvi tua voz marinha
- nunca temo as folhas em branco quando estamos juntos. Basta olhá-las e a luz de nossos olhas e o fogo de nossos corações preenchê-las-á com as mais belas cores e perfumes da vida.

Fraterno abraço amigo